quarta-feira, 15 de abril de 2009










O que é biodiversidade?
O termo biodiversidade - ou diversidade biológica - descreve a riqueza e a variedade do mundo natural. As plantas, os animais e os microrganismos fornecem alimentos, remédios e boa parte da matéria-prima industrial consumida pelo ser humano.
Para entender o que é a biodiversidade, devemos considerar o termo em dois níveis diferentes: todas as formas de vida, assim como os genes contidos em cada indivíduo, e as inter-relações, ou ecossistemas, na qual a existência de uma espécie afeta diretamente muitas outras.A diversidade biológica está presente em todo lugar: no meio dos desertos, nas tundras congeladas ou nas fontes de água sulfurosas. A diversidade genética possibilitou a adaptação da vida nos mais diversos pontos do planeta. As plantas, por exemplo, estão na base dos ecossistemas. Como elas florescem com mais intensidade nas áreas úmidas e quentes, a maior diversidade é detectada nos trópicos, como é o caso da Amazônia e sua excepcional vegetação

Quantas espécies existem no mundo?
Não se sabe quantas espécies vegetais e animais existem no mundo. As estimativas variam entre 10 e 50 milhões, mas até agora os cientistas classificaram e deram nome a somente 1,5 milhão de espécies. Entre os especialistas, o Brasil é considerado o país da "megadiversidade": aproximadamente 20% das espécies conhecidas no mundo estão aqui. É bastante divulgado, por exemplo, o potencial terapêutico das plantas da Amazônia.

O que é a Convenção da Biodiversidade?
A Convenção da Diversidade Biológica é o primeiro instrumento legal para assegurar a conservação e o uso sustentável dos recursos naturais. Mais de 160 países assinaram o acordo, que entrou em vigor em dezembro de 1993. O pontapé inicial para a criação da Convenção ocorreu em junho de 1992, quando o Brasil organizou e sediou uma Conferência das Nações Unidas, a Rio-92, para conciliar os esforços mundiais de proteção do meio ambiente com o desenvolvimento socioeconômico.Contudo, ainda não está claro como a Convenção sobre a Diversidade deverá ser implementada. A destruição de florestas, por exemplo, cresce em níveis alarmantes. Os países que assinaram o acordo não mostram disposição política para adotar o programa de trabalho estabelecido pela Convenção, cuja meta é assegurar o uso adequado e proteção dos recursos naturais existentes nas florestas, na zona costeira e nos rios e lagos.O WWF-Brasil e sua rede internacional acompanham os desdobramentos dessa Convenção desde sua origem. Além de participar das negociações da Conferência, a organização desenvolve ações paralelas como debates, publicações ou exposições. Em 2006, a reunião ocorreu em Curitiba, PR.

Quais as principais ameaças à biodiversidade?
A poluição, o uso excessivo dos recursos naturais, a expansão da fronteira agrícola em detrimento dos habitats naturais, a expansão urbana e industrial, tudo isso está levando muitas espécies vegetais e animais à extinção. A cada ano, aproximadamente 17 milhões de hectares de floresta tropical são desmatados. As estimativas sugerem que, se isso continuar, entre 5% e 10% das espécies que habitam as florestas tropicais poderão estar extintas dentro dos próximos 30 anos. A sociedade moderna - particularmente os países ricos - desperdiça grande quantidade de recursos naturais. A elevada produção e uso de papel, por exemplo, é uma ameaça constante às florestas. A exploração excessiva de algumas espécies também pode causar a sua completa extinção. Por causa do uso medicinal de chifres de rinocerontes em Sumatra e em Java, por exemplo, o animal foi caçado até o limiar da extinção. A poluição é outra grave ameaça à biodiversidade do planeta. Na Suécia, a poluição e a acidez das águas impede a sobrevivência de peixes e plantas em quatro mil lagos do país.A introdução de espécies animais e vegetais em diferentes ecossistemas também pode ser prejudicial, pois acaba colocando em risco a biodiversidade de toda uma área, região ou país. Um caso bem conhecido é o da importação do sapo cururu pelo governo da Austrália, com objetivo de controlar uma peste nas plantações de cana-de-açúcar no nordeste do país. O animal revelou-se um predador voraz dos répteis e anfíbios da região, tornando-se um problema a mais para os produtores, e não uma solução.

ANIMAIS SILVESTRES
Não ADQUIRA!!!
Você sabia que o Brasil é um dos países do mundo que mais exporta animais silvestres ilegalmente? É um negócio que movimenta mais de 1 bilhão de dólares e comercializa cerca de 12 milhões de animais anualmente. Uma das maiores ameaças à natureza...

Tráfico de animais silvestres
Tráfico é o comércio ilegal. Traficar animais significa capturá-los na natureza, prendê-los e vendê-los com o objetivo de ganhar dinheiro. Se participamos disso, estamos contribuindo para o tráfico de animais. Acredita-se que o comércio ilegal de animais movimente cerca de 10 bilhões de dólares por ano em todo o mundo. Só o tráfico de drogas e armas é maior.

quarta-feira, 25 de março de 2009

Saiba mais sobre a LEISHMANIOSE CANINA




É uma enfermidade provocada por um parasita (Leishmania), que invade os órgãos dos cachorros provocando lesões consideráveis, até provocar a morte do animal. A sintomatolgia é muito variada, mas deve-se destacar lesões na pele, nas articulações e, quando a doença está muito avançada, problemas renais. O parasita é transmitido através da picada do mosquito flebotomo ou por um mosquito chamado pito.
A diferença destes mosquitos aos que estamos acostumados a ver é que o flebotomo é bem menor. Não é fácil de vê-lo e tampouco ouvi-lo. Apenas as fêmeas picam, pois necessitam de sangue para desenvolver os ovos. O pito, por outro lado, só se prolifera na Bacia Amazônica.
O Ministério da Saúde do Brasil gerencia o Programa de Controle da Leishmaniose Visceral Canina, visando, entre outras ações, o diagnóstico sorológico dos cães positivos para Calazar e sua posterior eutanásia, vez que ainda não existe tratamento para a doença no animal.
Atualmente são utilizados dois métodos diagnósticos sorológicos, a Imunofluorescência Indireta (RIFI) e o Ensaio Imunoenzimático, também conhecido como Teste ELISA. Ambos se baseiam na busca de anticorpos anti Leishmania em soros de cães. O ministério recomenda a triagem com o método ELISA e a confirmação com a RIFI a um título de 1/80. São aceitos os resultados executados com Kits diagnósticos fabricados pela Fundação OswaldoCruz/Biomanguinhos, distribuidor oficial do Ministério.
Os testes sorológicos têm a vantagem de serem rápidos e baratos, podendo diagnosticar e retirar o cão positivo do convívio humano em pouco tempo, o que não é possível utilizando os métodos parasitológicos como punção ou cultura de medula óssea, métodos mais específicos, porém mais caros e demorados, além de inviáveis para colher material a campo por agentes de saúde.


Diagnostico sorologico de calazar canino

Têm-se tentado o tratamento canino em várias partes do Brasil, mas sem sucesso. O Ministério da Saúde proíbe o uso do Glucantime (medicamente de primeira escolha para o tratamento humano) em cães através de portaria ministerial, bem como o tratamento canino com qualquer medicamento não aprovado por ele. O conselho Federal de Medicina Veterinária apurará denúncias de tratamento canino realizada por Médicos Veterinários, aplicando a esses as devidas sanções.

terça-feira, 17 de março de 2009

SHOW DE BANDAS RÁDIO COLONIAL

















SHOW DE BANDAS RÁDIO COLONIAL DIA 29 DE ABRIL, QUARTA-FEIRA, NO PARQUE DE EXPOSIÇÕES GERMANO
DOCKHORN. BANDAS DANÚBIO AZUL, CÉU E CANTOS, CORPO E ALMA, PORTO DO SOM E INDÚSTRIA MUSICAL.
ESPERAMOS VOCÊ!

Video sensacional da coca-cola....

videoPor isso vende tanto...além de acharem a fórmula certa que conquistou o mundo, a equipe de MARKETING da coca é fera mesmo....

sexta-feira, 13 de março de 2009

DICAS PARA SEU ANIMAL DE ESTIMAÇÃO










Vacinação



Vacinar é um ato de amor e um compromisso com a saúde do seu cão. Além de garantir sua imunidade frente a doenças perigosas e fatais, ao vacinar você contribui para a saúde pública, pois algumas das doenças que as vacinas caninas previnem, como a raiva e a leptospirose são zoonoses, ou seja, atingem também os seres humanos.
A qualidade da vacina é também um fator importantíssimo, pois as vacinas importadas aplicadas e assinadas por um médico veterinário são as únicas que realmente garantem a imunidade do seu cão. O veterinário é também o único profissional capaz de determinar se um filhote está apto ou não para receber a vacina através de uma consulta, pois se o cãozinho já tiver o vírus presente em seu organismo a vacina fará com que a doença se espalhe com maior rapidez.
O esquema de vacinação pode sofrer algumas variações de acordo com a conduta do médico veterinário. O sistema que recomendamos por funcionar perfeitamente para nós é o seguinte:
Vacinas Necessárias Vacinas Opcionais
Filhotes:
Idade (dias)
Vacinas Necessárias
Vacinas Opcionais
45 a 60
V8* ou V10**
-
66 a 81
V8* ou V10**
Giárdia
87 a 102
V8* ou V10** + Anti-Rábica
Giárdia + Tosse dos Canis
Adultos:
Vacinas Necessárias
Vacinas Opcionais
V8* ou V10** + Anti-Rábica
Giárdia + Tosse dos Canis
Os adultos devem ser vacinados anualmente, a partir de 12 meses após o término do esquema de filhotes.

Não se esqueça de que em hipótese alguma você deve andar pela rua com o seu cãozinho enquanto o esquema de vacinação não estiver completo. Nesse período, as únicas saídas recomendadas são para ir ao veterinário, mantendo-o em seu colo e evitando contato com cães desconhecidos.

* V8: contra parvovirose, cinomose, parainfluenza canina, hepatite infecciosa canina, adenovirus tipo 2, coronavirose e leptospirose (2 cepas).
** V10: contra parvovirose, cinomose, parainfluenza canina, hepatite infecciosa canina, adenovirus tipo 2, coronavirose e leptospirose (4 cepas).

quarta-feira, 11 de março de 2009

MEIO AMBIENTE


A natureza é sábia.


Sábia, abundante e paciente.
Sábia porque traz em si o mistério da vida, da reprodução, da interação perfeita e equilibrada entre seus elementos. Abundante em sua diversidade, em sua riqueza genética, em sua maravilha e em seus encantos. E é paciente. Não conta seus ciclos em horas, minutos e segundos, nem no calendário gregoriano com o qual nos acostumamos a fazer planos, cálculos e contagens.
Sobretudo é generosa, está no mundo acolhendo o homem com sua inteligência, seu significado divino, desbravador, conquistador e insaciável.
Às vezes, nesse confronto, o homem extrapola seus poderes e ela cala. Noutras, volta-se, numa autodefesa, e remonta seu império sobre a obra humana, tornando a ocupar seu espaço e sua importância.
No convívio diuturno, a consciência de gerações na utilização dos recursos naturais necessita seguir regras claras que considerem e respeitem a sua disponibilidade e vulnerabilidade.
E assim chegamos ao que as sociedades adotaram como regras de convivência, às práticas que definem padrões e comportamentos, aliadas a sanções aplicáveis para o seu eventual descumprimento: as leis.
Mais uma vez nos valemos das informações da própria natureza para entender como isso se processa. Assim como o filho traz as características genéticas dos pais, as leis refletem as características do tempo/espaço em que são produzidas.
Nesse sentido podemos entender como a Lei de Crimes Ambientais entra no ordenamento jurídico nacional. Se, como já foi dito, a natureza é abundante, no Brasil possuímos números incomparáveis com quaisquer outros países no que se refere à riqueza da biodiversidade, com enfoque amplo na flora, fauna, recursos hídricos e minerais.
Os números são todos no superlativo.
Sua utilização, entretanto, vem se processando, a exemplo de países mais desenvolvidos, em níveis que podem alcançar a predação explícita e irremediável, ou a exaustão destes recursos que, embora abundantes, são em sua grande maioria exauríveis.
Daí a importância desta Lei.
Condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente passam a ser punidas civil, administrativa e criminalmente. Vale dizer: constatada a degradação ambiental, o poluidor, além de ser obrigado a promover a sua recuperação, responde com o pagamento de multas pecuniárias e com processos criminais.
Princípio assegurado no Capítulo do Meio Ambiente da Constituição Federal, está agora disciplinado de forma específica e eficaz.
É mais uma ferramenta de cidadania que se coloca a serviço do brasileiro, ao lado do Código de Defesa dos Direitos do Consumidor e do Código Nacional de Trânsito, recentemente aprovado.
Aliás, ao se considerar a importância do Código de Trânsito, pode-se entender a relevância da Lei de Crimes Ambientais. Se o primeiro fixa regras de conduta e sanções aos motoristas, ciclistas e pedestres, que levam à diminuição do número de acidentes e de perda de vidas humanas, fato por si só digno de festejos, a Lei de Crimes Ambientais vai mais longe.
Ao assegurar princípios para manter o meio ambiente ecologicamente equilibrado, ela protege todo e qualquer cidadão. Todos que respiram, que bebem água e que se alimentam diariamente. Protege, assim, a sadia qualidade de vida para os cidadãos dessa e das futuras gerações.
E vai ainda mais longe: protege os rios, as matas, o ar, as montanhas, as aves, os animais, os peixes, o planeta!
Afinal, é a Lei da Natureza e, como dissemos, a natureza é sábia. Lei 9605/98



Ubiracy Araújo

Procurador Geral do IBAMA



"Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações". (Constituição da República Federativa do Brasil - artigo 225)